Massivedynamic.co 12 34 56 78
Ambiente Corporativo, Consultoria, Controle, Geral, Gestão, Planejamento, Processos, Qualidade, Sem categoria
PDCA

No post de hoje abordaremos mais um assunto ligado à qualidade e ao controle de processos. O PDCA, do inglês Plan, Do, Check, Act ou em português Planejar, Executar, Checar ou Controlar, Agir é provavelmente o mais conhecido dos conceitos de gestão da qualidade. O conceito foi criado na década de 20 e aprimorado pelo estatístico americano W. E. Deming em meados de 1950.

Apesar de ser extremamente simples, essa ferramenta pode ser aplicada em todos os níveis de uma organização, desde a alta administração até o chão de fábrica. E assim como outras ferramentas de controle de qualidade, é uma forma organizada e estruturada de detectar e resolver problemas.

Podemos ver seu diagrama na figura abaixo:

PDCA

  • Plan – Este é o primeiro passo do ciclo de melhoria contínua, sendo responsável pelo mapeamento e definição do processo ao qual se deseja medir. É fundamental que nesta fase se defina qual o objetivo e aonde se quer chegar (meta), assim como os métodos que permitirão alcançar os objetivos propostos.
  • Do – O segundo passo será a execução do que foi planejado, e envolve treinamento das equipes e a coleta de dados para análise. É o famoso “mãos à obra”!
  • Check – O terceiro passo trata de uma verificação dos dados coletados na fase anterior. Através da análise das informações, será possível detectar erros ou falhas no processo.
  • Act – O quarto e último passo refere-se às ações tomadas para correção dos possíveis erros encontrados na fase anterior. Nesta fase normalmente ocorrem ajustes no intuito de equilibrar os resultados obtidos aos resultados pretendidos. Dependendo das discrepâncias, processos podem ser modificados em sua totalidade. Vale ressaltar que caso não sejam identificados desvios, é possível realizar um trabalho preventivo, identificando quais os desvios são passíveis de ocorrer no futuro, suas causas, soluções, etc.

O término da última fase origina um novo ciclo PDCA. Um novo plano de ação poderá ser definido para otimizar as correções feitas ou simplesmente para desenvolver melhorias nos processos. Com isso, temos fundamentalmente a base da melhoria contínua da Gestão pela Qualidade Total.

É fácil implantar o PDCA?

Por ser extremamente didático e de fácil assimilação, o PDCA pode ser amplamente utilizado nas empresas. Uma questão importante é que o brasileiro, em média, é mundialmente reconhecido como avesso ao planejamento. Portanto, a implantação desta ferramenta em algumas empresas pode tornar-se tarefa árdua, pois vai requerer algumas quebras de paradigmas, mudanças de hábitos, muita disciplina e, para completar, vai mexer com a zona de conforto das equipes.

Nesse cenário, a empresa precisará decidir o quanto de energia vai querer investir na Gestão de Pessoas para alcançar este objetivo. A única certeza que temos é que esta ferramenta, repetida diversas vezes, traz inúmeras vantagens competitivas ao negócio, fazendo com que a qualidade e excelência sejam pontos estratégicos dentro da organização. Para a maioria dos negócios, no mundo competitivo e globalizado dos dias de hoje, isso é fundamental para sua continuidade.

Conte com a Priority Partners para ajudar à sua empresa na criação de ferramentas de controle de qualidade.

Boa semana e fica a dica!

Equipe Priority Partners.

www.p1p.com.br

0

Ambiente Corporativo, Consultoria, Controle, Destacado, Destaque, Geral, Gestão, Planejamento, Processos, Sem categoria

KPI

Hoje apresentamos mais um assunto da nossa sopa de letras. O KPI (do Inglês Key Performance Indicator ou em Português Indicador-chave de Desempenho) é um sistema de controle de gestão destinado a medir ou monitorar variáveis ou fatores de sucesso crítico de um negócio, independente do segmento.

No atual ambiente empresarial, tão competitivo e globalizado, é fundamental que as organizações se preocupem com o desempenho de seus processos. O fato é que os consumidores/clientes estão cada vez mais antenados e possuem cada vez mais meios de comparar (principalmente via Internet) e optar por produtos ou serviços que satisfaçam às suas necessidades. Porém, não estamos falando só de preço. Outros fatores como disponibilidade, apresentação, qualidade, atendimento pré e pós-venda fazem parte desta análise. Portanto, as organizações devem dedicar-se exclusivamente ao esforço de atendimento a estes itens, no intuito de manterem-se competitivas.

É nesse cenário que os KPI’s entram em cena. Eles representam métricas de controle para que as empresas possam ter a sensibilidade sobre suas atividades e como elas estão sendo refletidas no mercado. E com isso, ter a chance de antever problemas ou detectá-los em tempo hábil para correção.

Identificação dos Indicadores

Em primeiro lugar, algumas premissas importantes: o KPI deve ser simples de medir (mensurável), ser objetivo, ser auditável, ser compreendido e aceito por todos os membros da equipe responsáveis pelo processo e deve indicar se está em consonância com as metas pré-definidas. O uso de poucos KPI’s também é importante (mais facilidade para medir e auditar), portanto, foco na escolha dos mesmos!

Feito isso, escolhem-se as variáveis que precisam ser medidas (normalmente essa informação vem da alta direção) e quais os objetivos ao se medir, como por exemplo: prevenir de erros, cumprir metas definidas ou simplesmente para monitorar processos.

Para que o controle seja efetivo, deverá haver um sistema de auditoria imparcial que possa monitorar a medição e definir ajustes ou rever metas, caso necessário. A comunicação eficaz é fundamental para que todos estejam cientes do monitoramento contínuo de suas atividades. A mensagem fundamental é de conscientização das equipes quanto à importância da medição como forma de feedback ao trabalho realizado e a oportunidade de melhoria de resultados, tanto pessoais quanto grupais.

Tipos de indicadores

Podemos listar inúmeros KPI’s, que seriam adequados a diversos tipos de empresas. Seguem alguns bastante utilizados, inclusive já postados por nós em dicas anteriores:

  • EBITDA / Receita Bruta (ou Líquida)
  • Margem de Contribuição / Receita Bruta (ou Líquida)
  • % Lucro em relação à Receita Bruta (ou Líquida)
  • Giro de Estoque
  • % de Ruptura de Estoques
  • Ticket médio – Faturamento / Número de Clientes
  • Prazo Médio de Recebimento
  • Taxa de Crescimento de Faturamento
  • ROI (Retorno sobre o investimento)
  • TIR (Taxa interna de Retorno)
  • % Lucro por funcionário
  • % Lucro por cliente
  • % Lucro por m² (para o caso de lojas)
  • Turnover de funcionários

Apresentação dos indicadores

Já vimos a importância de medir e controlar variáveis dos negócios. Além disso, os resultados precisam ser apresentados de forma clara e que possa ser verificada a comparação entre as metas definidas e o que realmente foi medido. Somente assim, as ações de correção e ajustes poderão ser executadas. É muito comum o uso de Dashboards ou em Português Painéis de Controle, que são representações gráficas bastante didáticas que seguem algumas regras específicas (abordaremos este tema em outra oportunidade) para montagem e apresentação.

A pergunta “o que medir” é mais importante do que “como medir”. A Priority Partners é especialista em definição, medição e apresentação de KPI’s. Se você deseja medir a excelência de sua empresa, fale com a gente!

Boa semana e fica a dica!

Equipe Priority Partners

www.p1p.com.br

0

Ambiente Corporativo, Consultoria, Controle, Geral, Gestão, Planejamento, Processos, Sem categoria

Nessa semana segue mais um artigo da nossa parceira de negócios Artsoft Sistemas.  A autoria é do Sr.Marcos Leite, sócio e responsável pela área de Marketing e Vendas da empresa  desde 1996. Boa leitura!

Crescimento e Organização

Você quer transformar sua empresa em uma grande marca? Para começar, esqueça o improviso! Se sua contabilidade ainda é feita em planilhas manuais, o controle de estoque depende da contagem feita por funcionários e os departamentos de vendas, finanças e logística trabalham de forma desintegrada, está na hora de mudar. Esse é o modelo utilizado pelas corporações do passado. Entramos em um novo milênio e o grande desafio das empresas do presente é aliar crescimento e organização. O mercado está cada vez mais competitivo e simplesmente não há espaço para o amadorismo.

Você quer ser grande? Então haja como os grandes! Busque soluções tecnológicas adequadas para seu negócio e alavanque as técnicas de gestão. Você conseguirá não apenas melhoras significativas nos processos de controle, como também um upgrade importante nos desempenhos financeiros.

Como empresário, você certamente conhece a máxima de que planejamento é a palavra-chave para o sucesso de qualquer negócio, certo? Não importa se atua no comércio atacadista, no varejo, na indústria ou no setor de serviços, sua empresa só conseguirá crescer de forma rápida e inteligente se utilizar ferramentas seguras que permitam a organização dos mais diversos processos de gestão. Um bom administrador precisa ter controle, por exemplo, da produção, do estoque, do faturamento, da distribuição, dos prazos e da qualidade. Apenas com essa visão completa dos mais variados setores do negócio é que o gestor poderá trabalhar com tranquilidade, traçar metas e perseguir resultados! Mas é possível realizar tudo isso de forma eficiente e sem margem para erros? A tecnologia está aí para isso! Ela é uma grande parceira do mundo corporativo e pode oferecer soluções com resultados precisos para o seu negócio. Quer saber como implantar a informatização da sua empresa e garantir desempenhos satisfatórios? Fique atento às dicas abaixo!

A tecnologia vai transformar sua empresa

A tecnologia é essencial para qualquer negócio. Muitos administradores, no entanto, ainda consideram a informatização um obstáculo. Gestores de empresas em crescimento reconhecem a necessidade desses instrumentos, mas comumente ficam receosos no momento da contratação por medo de que os resultados não compensem o investimento ou de que os funcionários não consigam operá-los, ou simplesmente por não saber o que buscar na hora de escolher. Porém, esse é um grande equívoco. E se você está em situação semelhante, está na hora de desmistificar o assunto! Tenha em mente que a tecnologia vai verdadeiramente transformar seus negócios. Saiba que há inúmeros softwares no mercado e que haverá um ideal para o seu caso. E fazer a escolha entre eles será muito fácil, desde que antes você consiga identificar quais são suas necessidades. Lembre-se de que o sistema contratado deve oferecer soluções para todas as demandas do seu negócio!

Entenda como escolher a ferramenta certa

Quer entender melhor? Então vamos imaginar que você atue no ramo industrial. Na hora de contratar, atente-se para o fato de que os setores da empresa vão precisar estar integrados pelo novo sistema e que ele deve atender completamente à todas suas necessidades! Portanto, um software adequado terá de proporcionar-lhe instrumentos de organização para os mais variados departamentos, possibilitando padronização e controle integral dos procedimentos internos, desde o recebimento da matéria-prima até o faturamento e a prestação de contas. O sistema precisará contar, por exemplo, com ferramentas de gestão de relacionamento para fornecedores e clientes (que permitirão acesso rápido e seguro às informações cadastrais), execução de manufaturas (para total controle da produção, qualidade e estoque), cadeia de suprimentos (para otimizar procedimentos internos, reduzir custos, controlar prazos e melhorar resultados), além da geração de relatórios financeiros  que permitam análise do desempenho dos negócios!

Na hora de adquirir um software, você ainda precisa se atentar a outras questões importantes. Tenha certeza de que o sistema possui uma interface visualmente agradável e bem construída. Certifique-se de que ele possui fácil entendimento e uso, para que sua equipe não tenha dificuldades de assimilação ao novo método de gestão. E mais: só contrate um programa que possua mobilidade! É imprescindível que você consiga acessar o sistema a partir de qualquer lugar e até mesmo de um dispositivo móvel. Essa medida lhe garantirá maior controle e liberdade de comando dos negócios. Para terminar, dê preferência para sistemas operados nas nuvens (Cloud Computing). Essa tecnologia permitirá o armazenamento seguro das suas informações, o que proporcionará à sua empresa uma enorme redução de custos em investimentos de equipamentos e boa vantagem competitiva!

Informatização: mais organização, maiores lucros

Para adquirir o novo software de gestão da sua empresa, você precisa levantar todas as necessidades do negócio e checar se o sistema oferecerá soluções adequadas para cada uma delas. Também é importante verificar como ocorrerá o processo de implantação. Não se esqueça de que um bom sistema deve contar com uma equipe de suporte eficiente, que ajudará a você e sua equipe a utilizar as novas ferramentas da forma mais produtiva possível!  Mas, terminado todo esse processo de instalação e transição, o que esperar da nova tecnologia? Essa é uma questão fácil de ser respondida! Sua empresa estará preparada para crescer e você poderá acompanhar tudo bem de perto!

Tenha certeza de que a informatização dos seus negócios representará ganhos importantes! Para começar, todos os processos internos serão otimizados por meio da integração dos setores. Além disso, haverá maior economia, já que será possível identificar custos excessivos em cada área e combater desperdícios de matéria-prima e estoque, caso você trabalhe com produção ou vendas. A relação com o consumidor também vai melhorar, uma vez que o acompanhamento dos prazos será mais rígido e o atendimento aos clientes ganhará mais qualidade, rapidez e eficiência. Além disso, você terá controle detalhado do faturamento e aplicação dos recursos. Sua empresa atingirá um alto nível de excelência em organização! E todo esse conjunto de fatores ainda significará um benefício a mais: maiores lucros!

Bons negócios!

A Priority Partners é especialista em planejamento estratégico e poderá ajudar sua empresa a escolher o melhor sistema de gestão, assim como auxiliar a implantá-lo. Conte com a gente!

Boa semana e fica a dica!

Equipe Priority Partners.

www.p1p.com.br

0

Ambiente Corporativo, Consultoria, Controle, Financeiro, Geral, Gestão

Hoje apresentamos mais um post do Sr.Marcos Leite, sócio da empresa Artsoft Sistemas desde 1996, responsável pela área de Marketing e Vendas da empresa. Boa leitura!

Inadimplência sob controle

Um dos maiores problemas enfrentados pelas empresas é a inadimplência de seus clientes. Isso porque com o atraso ou a falta de pagamento dos consumidores, o fluxo de caixa da companhia é prejudicado e causa problemas até mesmo na hora de pagar as contas relativas à empresa, como por exemplo, água, luz, salário dos funcionários, reposição de produtos, entre outras. Confira a seguir passos simples para que as dívidas dos seus clientes não sejam um problema para a empresa.

Mantenha contato com os clientes

Muitas pessoas simplesmente esquecem os prazos de pagamento, seja com a correria da sua rotina ou por mero esquecimento. A empresa pode contatar o consumidor para lembrá-lo da data do vencimento, mas sempre com um tom amigável, de forma a ajudar o cliente a resolver o problema. Dessa maneira, você evita uma parte da questão da inadimplência dos consumidores, já que alguns deles se esquecem do comprometimento que assumiu com a companhia. Um simples contato telefônico pode resolver uma grande parcela das dívidas de clientes com a companhia, seja para lembrá-los ou para negociar o pagamento de modo que seja vantajoso para ambos.

Facilite para seu consumidor

O responsável pelos pagamentos da empresa deve ser transparente em relação a tudo que compreende a negociação do produto ou serviço prestado. Pontos como o valor total da compra, prazos e formas de pagamento, consequências da inadimplência, entre outras questões, devem ser ressaltados ao seu cliente. Para evitar que o consumidor fique em dívida com a empresa, mesmo com todos os pontos esclarecidos, é recomendado que o pagamento seja facilitado com diversas formas, como cartão de crédito ou débito, por exemplo. Outras formas práticas para receber de seus clientes são sistemas online, como o PagSeguro, Moip ou o PayPal. Além de facilitar a forma de pagamento, o consumidor pode pagar sua compra por meio da comodidade proporcionada pela web. Basta ter um cadastro em um destes sites de pagamento online.

Em último caso, faça o bloqueio dos serviços

Se o cliente não pagar pela compra ou pelo produto adquirido, mesmo após o contato e acordo estabelecido, o indicado é tomar providências mais rígidas, como bloquear novos envios, interromper o serviço, ou ainda acionar a justiça. Dessa forma, você evita mais rombos no caixa da empresa. É muito importante que todas as medidas cabíveis sejam aplicadas, pois se o problema não for resolvido, pode provocar dores de cabeça para a companhia, como a falta de pagamentos de despesas fixas por causa do fluxo de caixa que foi prejudicado. E por mais que o empresário ache que o atraso de uma conta não prejudicará seus negócios, vale lembrar que o acúmulo de problemas pode tornar a dor de cabeça sem fim.

Com estes passos simples, certamente sua empresa terá a inadimplência controlada, e o melhor, não terá o fluxo de caixa afetado. É fundamental que a companhia leve a sério as dívidas de seus consumidores, pois a falta do pagamento pode comprometer a saúde financeira de sua empresa e acarretar até mesmo no fechamento e na falência da organização.

E você, gestor, como faz para controlar os clientes inadimplentes da sua empresa? Compartilhe com a gente e siga nossas dicas!

A Priority Patrtners, e seus parcerios como a Artsoft Sistemas possuem ótimas ferramentas de controle financeiro para sua empresa. Consulte-nos!!

Bons negócios e fica a dica!

Equipe Priority Patrtners

www.p1p.com.br

 

0

Ambiente Corporativo, Destacado, Destaque, Financeiro, Geral, Gestão
ERP A dica dessa semana vai tratar de um assunto muito importante para empresas que buscam modernizar e automatizar processos e reduzir os custos da operação: a escolha de um sistema ERP. ERP – Enterprise Resource Planning, ou na tradução livre: Planejamento de Recursos Empresariais nada mais é do que um Sistema Integrado de Gestão Empresarial que integra nele os dados e processos de uma empresa. Num âmbito mais geral, o ERP’s apresentam-se no mercado como plataformas de software, capazes de automatizar e armazenar as diversas informações que circulam nos variados setores de uma empresa, e que podem envolver Produção, Compras e Controle de Estoque, Financeiro (contas a receber, contas a pagar e fluxo de caixa), Contabilidade, folha de pagamento, etc. Em alguns casos, a Logística e o Transporte são tratados por sistemas alternativos, chamados (WMS e TMS, respectivamente. WMS significa Wharehouse Management System ou Sistema de Gerenciamento de Armazéns e TMS significa Transportation Management System ou Sistema de Gerenciamento de Transportes). Mas eles estão fora do escopo desse artigo. A escolha e a implementação de um ERP devem seguir alguns critérios importantes como: 1. Entenda a sua necessidade – a empresa precisa verificar qual ERP melhor se adequa aos seus processos. Por isso, é fundamental que os processos que receberão a automatização via ERP sejam devidamente mapeados, em um nível de detalhamento que permita um profundo entendimento das necessidades. Além de ajudar a implementação, o trabalho vai facilitar a escolha do melhor ERP, ou seja, aquele que é o mais aderente para a atividade da sua empresa. 2. Defina uma equipe responsável – a empresa deverá definir uma equipe responsável pelo projeto, desde a escolha, levantamento de processos até a implementação/implantação final do ERP. É um projeto complexo, com muitas variáveis (mudanças culturais, prazo, custo, comunicação intensa, gestão de pessoas, etc) e por isso vai requerer uma definição adequada de escopo, alinhamento das equipes nos setores, dedicação na execução e cumprimento de cronograma e custos. 3. Gerencie o impacto das mudanças – muitos funcionários acreditam que a automatização dos processos pode levar a demissões em massa. Isso não é totalmente verdade. Para reduzir a rejeição natural e a saída da zona de conforto, a alta gestão precisa vender e acreditar na idéia de que as mudanças trarão mais controle para os processos e que os operadores são peças fundamentais para o sucesso do projeto e que os benefícios servirão a todos. 4. Evite customizações – Vários sistemas são específicos para um determinado setor e escolher um ERP que esteja adequado aos processos da sua empresa vai reduzir a necessidade de customizá-lo. Uma customização significa que uma mudança no ERP precisa ser feita para atender a uma necessidade específica do cliente. Porém, esta prática deve ser evitada, pois é onerosa e nem sempre funcionará adequadamente. Se a empresa começa a perceber que muitas customizações fazem-se necessárias, provavelmente a escolha do ERP não foi adequada (os processos não foram mapeados nem estudados profundamente no momento da escolha). 5. Faça um benchmarking de mercado – se a empresa interessou-se por determinado ERP, deve-se verificar a possibilidade de visitas a empresas que já utilizam o mesmo ERP (mesmo de segmentos diferentes). Esta ação poderá trazer mais segurança e confiança para os tomadores de decisão. É um momento para questionar, ver e entender o funcionamento do ERP e se atende às necessidades. Aprenda com eles o que deu certo na implementação e o que deu errado. Os usuários são a melhor fonte de pesquisa, pois conhecem a fundo o sistema e sabem das suas virtudes e deficiências. Como é uma decisão importante e normalmente sem volta, pois altos custos estão envolvidos no processo, estas simples visitas podem poupar muito tempo e dinheiro! 6. Verifique a Credibilidade da Softwarehouse – Deve-se verificar quantos e quais clientes utilizam o ERP, qual o porte dos mesmos, se são do mesmo segmento e cases de sucesso. Além disso, deve-se verificar o suporte ao usuário, a plataforma do software e do banco de dados e a disponibilidade das informações (off-line, cloud, etc.) e a forma de Backup. Esta verificação é complementar à anterior e também fundamental na escolha, afinal a sua empresa vai depender do suporte, tanto pelas atualizações quanto ao constante treinamento de usuários. 7. Não se esqueça dos usuários “móveis” – Se sua equipe utiliza muito telefonia celular e Tablets (por exemplo uma equipe de vendas externas que emite pedidos on-line), dê preferência a sistemas que possibilitem o uso dos mesmos. 8. Adequação do ERP aos processos – A equipe responsável deve ter em mente que o ERP deve se encaixar aos processos das empresas e não o inverso. Porém, muitas vezes ocorre que durante o projeto de implantação, alguns processos passam por melhorias e assim acabam adequando-se ao ERP. Essa ação só reforça a importância do mapeamento dos processos como base para escolha do ERP mais aderente. A escolha de um ERP para sua empresa é uma decisão difícil e onerosa, mas com um projeto bem executado e os objetivos alcançados, os benefícios são enormes. A Priority Partners é especialista em implantação de ERP’s e pode trazer essa experiência para sua empresa. Para melhores informações contate-nos!  Fica a dica e bons negócios!!
0

Estima-se que o funcionário médio de qualquer empresa passa até 90% do seu tempo se comunicando. Nos dias de hoje, com os avanços constantes da tecnologia, são muitos os meios nos quais podemos nos comunicar: email, SMS, mensagens de voz, whatsapp, telefone e verbalmente, frente a frente emissor e receptor da mensagem. Porém, vale ressaltar que se não nos comunicarmos com eficiência e clareza, nenhuma tecnologia existente nos ajudará a transmitir nossas mensagens. A comunicação nada mais é do que o processo de transmitir uma informação desde que haja compreensão do receptor. Se não houver compreensão, não ocorre a comunicação. Atualmente, muitos problemas que as empresas enfrentam estão baseados na comunicação ruim (ou até mesmo na falta da mesma). E com a mesma facilidade que podemos nos comunicar, muitas vezes também podemos nos perder através dela. Uma grande barreira na comunicação das empresas é a cultural. As corporações são compostas por funcionários/prestadores de serviço de diferentes níveis, tanto sociais quanto intelectuais. Cada pessoa possui valores e ideias diferentes e só isso já basta para que ruídos atrapalhem a comunicação. A quantidade de informações recebidas, os prazos cada vez mais curtos para as respostas e a pressão diária do ambiente de trabalho também colaboram para uma comunicação não efetiva. Um fato interessante é que 93% da nossa comunicação NÃO é VERBAL. Segundo especialistas, o impacto se dá nesta proporção:
  • 55% – Gestos e Expressões Faciais
  • 38% – Expressividade da Voz
  • 7% – Palavras / Conteúdo 
Esse é outro motivo de haver tantos problemas quando nos comunicamos. É preciso muito cuidado e atenção quanto à expressão corporal (postura, gestos e expressão facial). Esta deve acompanhar a fala num processo harmonioso e coerente, com naturalidade e espontaneidade. Seguem abaixo algumas dicas e sugestões para aprimorar sua forma de comunicação verbal:
  1.  Cliente/Fornecedor não é amigo, é parceiro comercial. A informalidade só pode existir quando permitida entre as partes.
  2. Diga sempre BOM DIA, BOA TARDE, etc.
  3. Ao solicitar algo, POR FAVOR.
  4. Ao agradecer, OBRIGADO.
  5. Seja BREVE E OBJETIVO.
  6. Linguajar muito técnico atrapalha mais que ajuda!
  7. Evite Gírias e Palavrões.
  8. Saiba ouvir com atenção! Se for necessário, faça perguntas para confirmar o seu entendimento!
  9. Foco na resposta, responder a tudo que foi perguntado. Atender a tudo que foi solicitado.
  10. Fale com clareza, não “coma” letras (“Janero”, “Comeno”, “Fazeno”)!
  11. Mais algumas dicas, relacionadas ao envio/recebimento de emails, algumas se repetindo em relação à comunicação verbal:
  12. Utilize PREZADOS (AS), SR., SR(A) ao iniciar.
  13. Ao solicitar algo, POR FAVOR.
  14. Ao agradecer, OBRIGADO.
  15. Utilizar “Atenciosamente” na assinatura do e-mail (e ser realmente atencioso(a) nos emails).
  16. Seja BREVE E OBJETIVO.
  17. Verifique sempre a ORTOGRAFIA E GRAMÁTICA.
  18. Envie com Cópia Oculta (CCo) se for o caso.
  19. Não responder a todos se a resposta não for para todos.
  20. Foco na resposta, responder a tudo que foi perguntado. Atender a tudo que foi solicitado.
  21. E-mail grande ninguém lê.
  22. E-mail confuso ninguém lê.
  23. Nunca responder de cabeça quente!
  24. Cuidado ao copiar remetentes indevidos.
  25. Às vezes, vale a pena levantar da cadeira e conversar ao vivo ao invés de mandar e-mail.
  26. E-mail não é SMS!!!
  27. Não esquecer o Anexo.
  28. E-mail enviado é e-mail lido!!! Cuidado com o que se escreve!
  29. Organize sua caixa de entrada!!!
  30. Utilize o gerúndio adequadamente (“eu vou estar lendo seu email”)!
Como dicas gerais, seguem mais algumas que valem para ambos os casos:
  • Se a solução estiver fora de sua alçada, não se comprometa com uma resposta. Peça um tempo para responder e consulte seu chefe. Nunca minta/omita informações, pois a mentira tem pernas curtas!
  • Ao fornecer prazos ou custos, seja coerente, utilize margens de segurança. Pela Lei de Murphy, se algo pode dar errado, dará!
  • Seja gentil, mesmo que não sejam com você. Respire fundo e compartilhe o caso com seu chefe. Nunca responda de cabeça quente!
  • Seja assertivo!
Fica a dica e bons negócios!! Equipe Priority Partners.
0